Monsters Of Rock - Arena Anhembi, São Paulo - 19/10/2013

Por Rogério Talarico
Fotos por Stephen Solon/XYZLIVE e Francisco Cepeda/Agnews

Após 15 anos sem o festival em Terras Tupiniquins, o renomado Monsters Of Rock voltou à cidade de São Paulo. Nesta 5ª edição, o festival foi divido em 2 datas, ficando o primeiro dia para o dia do Metal Pesado e o segundo, para o Hard Rock. Entre os nomes cotados para esta edição estão os patriarcas do Hard Rock como Aerosmith e Whitesnake e também nomes de peso como Slipknot e Korn, entre outros.

No primeiro dia de festival, tocaram as bandas Project 46 (vencedora de um concurso feito pela internet para escolher as bandas de abertura do festival) Gojira, Hatebreed, Killswitch Engage, Limp Biskit, Korn e os mascarados do Slipknot fecharam a noite. A banda Hellyeah também estava anunciada para tocar no festival, mas acabou cancelando sua apresentação dias antes, por motivos de conflitos internos.

PROJECT 46

Por volta das 11 da manhã os portões da Arena Anhembi se abriram e ao som dos brasileiros do Project 46 os fãs foram entrando. Com o sol escaldante, Vini Castellari e Jean Patton nas guitarras, Rafael Yamada no baixo, Henrique Pucci na bateria e Caio MacBeserra nos vocais alegraram o público com muito peso e carisma.

GOJIRA

Com o cancelamento do Hellyeah, os próximos a entrarem no palco foram os franceses do Gojira. Conhecido por sua marcante e brutal voz, o vocalista Joe Duplantier entrou ao palco acompanhado por sua banda e tocaram músicas de seu último disco intitulado "L'Enfant Sauvage" lançado em 2012 como "Explosia", "The Axe" e a homônima "L'Enfant Sauvage", bem como "Backbone", grande música lançada no álbum "From Mars to Sirius", de 2005. Com muito calor e aparentemente felizes por sua primeira apresentação no Brasil, a banda se despediu do palco com "Toxic Garbage Island".

HATEBREED

Com 20 anos de estrada, os americanos do Hatebreed também marcaram presença no festival. Com um sol de mais de 30º, a banda entrou no palco com Jamey Jasta nos vocais,  Frank "3 Gun" Novinec e Wayne Lozniak nas guitarras, Matt Byrne na bateria e sem Chris Baettie seu baixista original,  com Mike D'Antonio  do Killswitch Engage substituindo-o neste show.  Abrindo sua apresentação com "To the Threshold", os veteranos do Hardcore causaram alvoroço e foi visto uma grande roda de bate cabeça no meio do público. A tarde ainda contou com petardos de sua carreira como seu novo single "Honor Never Dies" e canções mais antigas como "Smash Your Enemies" e "Last Breath". O momento mais carismático e empolgante de todo o show certamente veio quando o vocalista Jamey anunciou Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura e iniciou "Refuse/Resist", ninguém ficou parado e todos acompanharam em uníssono a canção da banda brasileira. Logo após se despediram com a dobradinha "Live for This I Will Be Heard" e "Destroy Everything". Um belo show de brutalidade nesta tarde de sábado.

KILLSWITCH ENGAGE

Killswitch Engage, o grupo natural de Westfield (EUA) e formado em 99 foi a próxima banda que se apresentou no Monsters of Rock. Conhecido pelo seu metalcore, os novatos surpreenderam os presentes no festival. Misturando vocais limpos e guturais, "The New Awakening" foi a responsável por cumprimentar o público paulistano. Após tocar "You Don't Bleed for Me" pela primeira vez ao vivo, a banda continuou mesclando canções de sua carreira e certamente as mais curtidas pelo público foram "Vide Infra", "A Tribute to the Fallen", "The Hell in Me" e a rápida "No End in Sight", do primeiro e ultimo álbuns da banda, "Killswitch Engage" de 2000 e "Disarm The Descent" de 2013, pois foram originalmente gravados com o vocalista Jesse Leach, que saiu da banda em 2002 e voltou em 2012. Parando somente algumas vezes para agradecer o público, Jesse e sua banda pareciam muito felizes de estarem aqui e encerraram um pesado show com "In Due Time".

LIMP BIZKIT

Com a noite começando a cair,  a banda norte americana Limp Biskit subiu ao palco. Comandado pelo conhecido Fred Durst nos vocais, Sam Rivers no Baixo, John Otto na bateria e Wes Borland na guitarra, os caras entraram no palco tocando um cover, a canção "Thieves" do Ministry e emendando seu maior single "Rollin' ", sendo completamente ovacionado pelo público. Com uma pegada rap, sendo o diferencial do grupo desde os primórdios da banda em 1994, continuaram seu show com clássicos como "Hot Dog", "My Generation", " Livin' It Up" e "My Way", do álbum que levou a banda ao mainstream, nomeado por "Chocolate Starfish and the Hot Dog Flavored Water" lançado em 2000. Homenageando seus ídolos, Durst então iniciou uma série de covers, entre eles "Smells Like Teen Spirit" do Nirvana, "Killing in the Name" do Rage Against the Machine e "Faith" do George Michael. Um dos momentos altos do show foi o sucesso " Take a Look Around" e o show que o baixista deu com seu figurino cheio de Leds. A apresentação dos americanos fechou com "Stayin' Alive" que mesmo sendo cover dos Bee Gees foi extremamente agitada pelo público presente e até o momento foi o show mais agitado da noite.

KORN

O penúltimo show da noite iniciou já com o luar.  Ao som de "Blind", a banda californiana recepcionou seu fiel público que já pulava e cantava de forma impar. Comandada por Jonathan Davis no vocal, Reginald Arvizu "Fieldy" no baixo, Ray Luzier na bateria, Zac Baird nos teclados e James Shaffer "Munky" na guitarra e Talk Box a banda contou com a volta do guitarrista Brian "Head" Welch que havia saído da banda em 2005 e, de certa forma, foi um grande diferencial para este show. Com grandes canções como "Falling Away from Me", "Coming Undone", e também a dobradinha " Shoots and Ladders" e "Somebody Someone", a banda também executou novas canções como "Pray for Me" e "Love & Meth" do "The Paradigm Shift", lançado este ano. Antes de sair para uma pequena pausa, a banda ainda executou "Y'All Want a Single", canção que foi agitada por todos.

Voltando de um pequeno intervalo, a grande surpresa deste show foi Jonathan chamar ao palco Andreas Kisser e Derrick Green do Sepultura ao palco para execução de "Roots Bloody Roots", uma homenagem a banda dos convidados, concorrendo ao melhor momento do show, pela extrema exaltação do público. Fechando o show, a banda executou "Got the Life" e sua maior canção "Freak on a Leash" fechou com chave de ouro essa apresentação.

SLIPKNOT

Pontualmente as 21h45min, o Slipknot atualmente formado por Sid Wilson na pickup, Joey Jordison na bateria, Chris Fehn e Shawn Crahan na percussão, Craig Jones nos teclados, Mick Tomson e James Root nas guitarras, Corey Taylor nos vocais e Donnie Steele no baixo - este último contratado para turnê substituindo Paul Gray falecido em 2010 - subiu ao palco do Monsters Of Rock e com "Disasterpiece" e logo de início os mascarados já incendiaram o público. Conhecidos pela loucura e pela presença de palco, os 8 integrantes continuaram com "Liberate" e "Wait and Bleed", ambas do álbum de estreia da banda intitulado "Slipknot", lançado em 1999. A pesada e rápida "Get This" deu continuidade e após, Corey Taylor cumprimentou o público pela primeira vez e anunciou "Before I Forget", canção de sucesso da banda.

O pesado show continuou com "Eyeless", "The Blister Exists" e "Dead Memories" a mais calma da noite, com o Dj Sid indo ao público. Antigas músicas também presentearam os fãs mais antigos da banda como "Left Behind", "Gently" e a herege "The Heretic Anthem". Antes de sair do palco para uma breve pausa, a trinca "Psychosocial", o grande sucesso "Duality" e "Spit It Out" foram tocadas, com Corey fazendo a costumeira brincadeira e pedindo ao público para abaixar e pular ao seu comando, todas lembrando um grande circo devido a presença de palco dos integrantes, exaltando Chris, Shawn e Sid, os mais comunicativos com o público.

Com os integrantes voltando ao palco e com um pano contendo o número 2 (antigo número do uniforme de Paul Gray)  ao fundo do palco, Corey falou o quanto estava sendo difícil continuar sem seu amigo de banda Paul Gray que faleceu em 2010 devido a uma overdose. Homenageando-o, o público aclamou seu nome e então a banda tocou "(sic)" precedida pela introdução "742617000027". A banda então fechou sua apresentação com "People=Shit" e "Surfacing", duas grandes músicas com muita empolgação, e sem dúvidas mostrando o porque da banda ter sido escolhida como headliner desta noite no festival.

PARA CONFERIR A SET LIST DE TODOS OS SHOWS, CLIQUE AQUI.

Agradecimentos a Denise Catto da Midiorama pela atenção e credenciamento.

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter