Soulfly - Carioca Club, São Paulo - 25/08/2013

Resenha por Rogério Talarico
Fotos por Bárbara Martins

Radicado nos Estados Unidos, conhecido por ter revolucionado a cena do metal no Brasil e também por ter mostrado que o Brasil também é um país que ouve Rock e Met25/08/2013al, MAX CAVALERA, ex-vocalista do Sepultura e atual Cavalera Conspiracy, trouxe sua outra banda americana, o Soulfly para uma ótima apresentação no Carioca Club.

A banda de abertura escolhida para aquecer o público da noite foi a The Silence, formada por Ricardo China nos vocais, Tiago Hospede e Rafael Cartman nas guitarras, Pablo Lucente no baixo, Bruno Tozzini nos sintetizadores e Filipe Lima na bateria, a banda realizou um curto e bom show, sem muito entrosamento por parte dos integrantes, mas realizou um show coeso que certamente cativou o exigente público da noite.

Pontualmente às 20h35min, a banda entrou ao palco sem introduções e com um perfeito som “Plata o Plomo” abriu o show, com um Max bem comunicativo e brincalhão. O instrumental caótico indicou o início de “Prophecy”, e Max pediu a todos que abrissem uma enorme roda de bate cabeça e assim foi atendido. O berimbau sampleado foi ouvido e logo iniciou “Back to the Primitive”, uma das canções principais do grupo.  O show continuou com “Defeat U”, “Seek 'N' Strike” e seu marcante refrão e também “Refuse/Resist”, grande sucesso do Sepultura.  Com o público eufórico, Max perguntou como todos estavam e iniciou “Territory” e, novamente o caos se instaurou na casa de shows. Como forma de recompensar todo seu antigo público, Max começou “Wasting Away”, de sua antiga banda – e não muito conhecida- Nailbomb e não foi muito empolgante.

Anunciando que tocaria um ‘lado B’ de Roots (1996) disco que levou o Sepultura ao mainstream, “Straighthate” foi ovacionado por todo o grande público presente no Carioca Club, muitos até, não acreditavam que Max e banda estavam executando esta canção.  Sem parar, Max anunciou “Rise of the Fallen” sendo uma das melhores execuções da noite.  O show deu sequência com “Bloodshed”, que contou com participação de Richie Cavalera - filho de Max-, a pesada “Attitude” e “I and I”. A grande surpresa da noite deu-se quando Igor Cavalera (irmão de Max e ex baterista do Sepultura) subiu ao palco, assumiu a bateria e executou de forma impar “Sanctuary” e a dobradinha “Arise/ Dead Embryonic Cells”. Com Kanky Lora assumindo sua bateria novamente, foi vez de “Frontlines” agitar o público. Não menos relevante, o maior single do Sepultura, “Roots Bloody Roots” foi ovacionado e incendiou o Carioca Club.

Max então começou a introdução de “ Jumpdafuckup”  e emendou “Eye for an Eye”, grande sucesso do Soulfly, que foi cantada por boa parte do público. Com Max saindo do palco, Kanky iniciou um trecho de “We Will Rock You” do Queen e, acompanhado pela eficiente banda iniciou “The Trooper” do Iron Maiden. Sem Max Calavera retornar, a cortina do palco se fechou encerrando assim um ótimo show. Com uma organização impar realizada pela Pisca produções, certamente este foi um recompensante show para a banda que desempenhou um ótimo set e melhor ainda para os fãs que compareceram e viram uma carismática apresentação de peso.

Set List Soulfly:

Plata o Plomo
Prophecy
Back to the Primitive
Defeat U
Seek 'N' Strike
Refuse/Resist  (Sepultura cover)
Territory  (Sepultura cover)
Wasting Away (Nailbomb cover)
Straighthate (Sepultura cover)
Rise of the Fallen
Bloodshed (w/Richie Cavalera)
Attitude (Sepultura cover)
I and I
Sanctuary (w/ Iggor Cavalera) (Cavalera Conspiracy cover)
Arise / Dead Embryonic Cells (w/ Iggor Cavalera) (Sepultura cover)
Frontlines
Roots Bloody Roots (Sepultura cover)

Encore:

Jumpdafuckup / Eye for an Eye

Agradecimentos a Damaris Hoffman e ao Gustavo da Hoffman & O’brian pela atenção e credenciamento.

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter