Rotting Christ - Hangar 110, São Paulo - 10/03/2013

Por Leandro Cherutti

A República Helênica, mas conhecida no mundo como Grécia, é um país que possui uma importância indiscutível dentro da civilização que conhecemos nos dias de hoje. Desde os primórdios apresentou ao mundo grandes Filósofos, Matemáticos, nomes que são facilmente reconhecidos por todos: Platão, Sócrates, Pitágoras, Aristóteles entre muitos outros. Possui uma história rica e uma mitologia fabulosa, contendo personagens como: Zeus, Ares, Hades, Poseidon, Hercules, Perseu, Aquiles, Apolo entre tantos outros tão importantes quanto os citados por minha pessoa. Mas não estou aqui para escrever sobre este sedutor país e sim sobre música.

Na música a Grécia forneceu ao mundo uma poderosa e importante banda de metal extremo, o Rotting Christ. Que após 7 longos anos de espera e duas tentativas totalmente frustradas de se apresentar no Brasil em 2010, finalmente conseguiu aportar em terras brasileiras novamente, trazendo nesta oportunidade a turnê do novo álbum Kata Ton Daimona Eaytoy . Esta turnê conta com 7 datas e se iniciou em Natal(RN), passou por Fortaleza (CE)  e chegou a cidade de São Paulo no último domingo dia 10. O show da capital paulista contou com a abertura das bandas Malediction 666 e Vulcano. Esta última dispensa qualquer tipo de apresentação, possui uma sólida e respeitada carreira, esta em atividade desde 1981 e foi a responsável por difundir o som extremo em nosso país.

A primeira banda da noite foi o Malediction 666, que apresentou um Death/Black Metal redondo e muito agressivo. Focou sua apresentação em cima do seu primeiro Full-length intitulado Innoculation. O ponto negativo nesta apresentação foi à ausência de público, que em sua grande maioria ainda estava na fila, aguardando a sua vez de entrar no recinto. Para quem perdeu deixo aquela ressalva, não perca a oportunidade de prestigiá-los em uma nova ocasião.

A próxima a subir ao palco foi à veterana Vulcano, que aproximadamente às 20h10min iniciou sua apresentação com a introdução Satanic Legions. Na sequencia os músicos abriram os portões do inferno com os clássicos Witche’s Sabbath e Dominios of Death. O quinteto oriundo de Santos se apresentou com Zema Rodero, único membro original do grupo, e que ao lado do também guitarrista Fernando Nonath, forma uma dupla muito entrosada. A bateria contou com o experiente Arthur Von Barbarian, que além de seus dotes musicais, chamou muita a atenção por sua barba e madeixas brancas. A frente dos vocais esteve Luiz Carlos Louzada, que comandou com muita personalidade o show, inflamando a galera para o caos. No baixo ficou o ótimo músico Carlos Diaz. O grupo esta prestes a lançar um novo álbum, que ira se chamar The Man, The Key, The Beast. Chegará ao mercado no mês de abril ou maio desse ano. Já o escutei e posso assegurar que vem por ai mais um clássico do metal nacional.

O Vulcano demonstrou nesta noite um pouco de sua carreira, passando por músicas novas como Awash In Blood, Devil’s Forces e They Sold Their Souls encontradas no Cd Drowning in Blood de 2011. Viajaram até o ano de 2004 com as canções Gates of Iron e From The Black Metal Book e com Death Metal, Bloody Vengeance e Ready To Explode chegaram ao passado.

Para o final reservaram três das melhores composições da banda, Total Destruição, Guerreiros de Satã e Legiões Satânicas. Após 60 minutos da mais pura aula de Black/Death Metal, os músicos deixaram o palco ovacionado.

O momento mais aguardado da noite aconteceu às 21h30, com o quarteto grego trazendo consigo a belíssima composição Sono L’Antichristo como tema de abertura. Esta canção pertence à cantora norte - americana Diamanda Galás, que possui descendência grega. O Rotting Christ quebrou o silencio dos instrumentos com a mais que clássica Forest of N’Gai do EP Passage to Arcturo, lançado em 1991.O quarteto se mostrou muito empolgado com o numeroso público que compareceu nas dependências do hangar 110 e retribuiu todo este incentivo com boa música, tocando as faixas Athanati Este, Kata Ton Daimona Eaytoy esta encontrada no novo trabalho, Nemeci e King of a Stellar War.

A seguir tivemos no palco a presença feminina de Marly Cardoso, vocalista da banda de Grindcore No Sense. A cantora realizou um dueto com Sakis Tolis na belíssima música The Sign of Evil Existance, mostrando aos presentes toda a sua potência vocal. Se mantendo no álbum The Mighty Contract e na mesma seqüência do CD, tivemos a empolgante Transform All Suffering Into Plague, proporcionando um dos momentos mais agitados do show. O Rotting Christ, para quem não sabe, é formado pelos os irmãos Sakis e Themis Tolis, fundado em 1987 na cidade de Atenas a principio como uma banda de Black Metal. Sakis é o tipo de vocalista que interage e se doa totalmente ao espetáculo, e sempre que possui uma oportunidade, procura tocar sua guitarra próxima aos fãs, elevando assim a euforia de todos. Ao fundo do palco e posicionado um pouco mais elevado que os outros membros, se encontrou o Rei de Esparta, Leônidas, conhecido vulgarmente como Themis Tolis. Desculpe a pequena brincadeira, Themis é um monstro no comando de sua bateria, o mesmo manteve com perfeição o andamento do show. No apoio ficou os músicos contratados George Emmanuel na guitarra e Vagelis Karzis no baixo, ambos realizaram perfeitamente os seus respectivos papéis dentro do show.

O novo álbum veio representado novamente com In Yumen Xibalba, composição que abre o recém lançado e já citado Kata Ton Daimona Eaytoy. A seguir tivemos mais um petardo, Non Serviam, que nos remeteu aos velhos e bons tempos da banda em minha opinião, levando o show para aquela atmosférica pura e brutal do Black Metal. Em um show altamente eletrizante, os irmãos Tolis foram demonstrando ao decorrer do tempo, um pouco de sua vasta discografia, executando faixas que contagiou o público facilmente. As próximas que atingiram os fãs foram Welcome To Hell, Sign of Prime Creation, Phobos Synagogue que vieram seguidas de Eon Aenaos e Noctis Era do penúltimo disco Aealo. E assim fecharam a primeira parte deste enorme show.

Para o bis o grupo reservou uma pequena surpresa e executou juntamente com a faixa Archon um pequeno e valoroso medley, contendo os clássicos Exiled Archangels / Fgmenth Thy Gift / Shadows Follow / The Fifth Illusion. Os gregos se despediram do público tocando a poderosa Gloria In Domino Inferni, encerrando de forma magistral o espetáculo.

Fazendo valer à pena cada centavo gasto, o Rotting Christ proporcionou uma apresentação à altura do seu grandioso nome. Após o show Sakis e Themis Tolis foram muito atenciosos, conversaram e tiraram fotos com alguns dos fãs, retribuindo assim toda a dedicação e atenção do caloroso público que compareceu no Hangar 110 nesta noite de domingo.

Setlist – Malediction 666

Malediction
Decaptation
Innoculation
Portal
Dagon
Opposite
Christ In Flames
Virgin Forest
Valley of Nocturnal Spectres
Ancient Demons Arise
Blackened Hordes Victory
When Planets Collide

Setlist - Vulcano

Intro – Satanic Legions
Witche’s Sabbath
Dominios of Death
Awash In Blood
Devil’s Forces
They Sold Their Souls
Death Metal
Bloody Vengeance
Ready To Explode
Gates of Iron
From The Black Metal Book
Total Destruição
Guerreiros de Satã
Legiões Satânicas

Setlist– Rotting Christ [

Intro - Sono L’Antichristo
Forest of N’Gai
Athanati Este
Kata Ton Daimona Eaytoy
Nemecic
King of a Stellar War
The Sign of Evil Existance
Transform All Suffering Into Plague
Societas Satanas (Thou Art Lord cover)
Middle Intro
In Yumen Xibalba
Non Serviam
Welcome To Hell
The Sign of Prime Creation
Phobos Synagogue
Eon Aenaos
Noctis Era

Bis:
Archon + Medley (Exiled Archangels / Fgmenth Thy Gift / Shadows Follow / The Fifth Illusion)
Gloria In Domino Inferni

Agradecimentos ao Luciano Piantonni pela atenção e credenciamento

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter