Linkin Park - Gigantinho, Porto Alegre - 12/10/2012

por Carol Flores

 

source | MTV

Não há mais dúvidas sobre o lugar de destaque que Porto Alegre obteve nos últimos anos em relação às grandes turnês internacionais que vêm ao Brasil. Poucos foram os megashows que vieram ao nosso país sem passar pela capital gaúcha. Na última sexta-feira, os gaúchos receberam o LINKIN PARK que promove seu mais recente trabalho “Living Things” (2011). Aclamado pela crítica, fãs e, segundo os próprios integrantes da banda, tendo por objetivo o retorno às origens que deram ao LINKIN PARK notoriedade mundial, o esperado “Living Things” foi lançado a fim de superar seus antecessores. Levando em consideração o positivo retorno do público às músicas novas, tal tarefa foi alcançada com êxito colocando o LINKIN PARK novamente em lugar de destaque na cena mundial.

Ao chegar ao Gigantinho, em pleno Dia das Crianças, era notável a presença de muitos pais acompanhados de seus filhos, entre eles muitos jovens com seus, no máximo, quinze anos. Não é surpresa alguma ver tamanha quantidade de adolescentes neste show já que a gurizada se identifica demais com o som feito pela banda californiana. Porém também estava presente em peso a geração que teve o início dos anos 2000, quando eram adolescentes, para curtir o começo da carreira de sucesso do LINKIN PARK.

A renomada banda gaúcha REAÇÃO EM CADEIA foi a responsável pelo show de abertura, realizando esta tarefa mais do que satisfatoriamente. Mérito para a produtora T4F ao priorizar a escolha de uma banda já conhecida e querida tanto no Rio Grande do Sul como, em geral, pela base de fãs do Linkin Park.  Liderada por Jonathan Corrêa, a REAÇÃO EM CADEIA realizou um show intenso, com ótima presença de palco de seus integrantes e destaque para as músicas “Tanto Faz”, o cover do Stone Temple Pilots “Plush” e, aquela que é a mais conhecida música da banda, “Me Odeie”, com o público fazendo coro diversas vezes.  Antes de finalizar o show, Jonathan fez questão de agradecer o respeito dos fãs já que nem todos são tão pacientes com as aberturas destes grandes eventos.

Após uma troca de palco rápida, com direito a bandeira do Rio Grande do Sul pendurada nos teclados de Shinoda, era hora de curtir a apresentação principal. Entretanto, Chester Bennington (vocal), Mike Shinoda (vocal, rapper, guitarra rítmica, teclado), Joe “Mr” Hahn (DJ), Rob Bourdon (bateria), Brad Delson (guitarra solo) e Dave Farrell (baixo) só foram aparecer quase uma hora depois.Esta uma hora, somada ao atraso do show de abertura, fez com que a programação geral da noite sofresse um atraso total de 1h30min, o que causou um princípio de vaias impacientes vindas do público pouco antes de, finalmente, o LINKIN PARK iniciar sua apresentação.

E que início de show: ao pisar no palco e começar a executar a pesada “Faint” do álbum “Meteora” (2003), o público rompe aos gritos, esquece o atraso e o cansaço e começa a curtir a noite que ainda prometia muitos momentos especiais. Como foi o caso da sequência matadora que veio logo após: “Papercut” e “With You”, esta última precedida por “Given Up”, manteram a animação dos fãs. Somente “Somewhere I Belong” poderia superar a satisfação da platéia em relação às anteriores do setlist, com um coro acompanhando Chester nos vocais em alto som.

Given Up

Não houve muita interação entre a banda e o público, salvo os poucos momentos em que Shinoda e Bennington exteriorizavam sua admiração pelos fãs brasileiros que, segundo Chester, são os melhores que existem. “In My Remains” e “Victimized” foram as primeiras músicas do álbum que promove a turnê a serem tocadas, com a ótima “New Divide” entre as duas.

“Points of Authority” do aclamado álbum de estréia do LINKIN PARK “Hybrid Theory” (2000) fez novamente os fãs acompanharam o vocal de Chester. “Lies Greed Misery” retomou a divulgação do “Living Things” (2011) enquanto “Waiting for the End” foi a primeira executada do álbum “A Thousand Suns” (2010). A boa “Breaking the Habit” antecedeu o momento mais intimista do show: o medley de “Leave Out All the Rest”, “ Shadow of the Day” e “Iridescent” teve como destaque a parceria de Chester e Mike, aquele no vocal e este no teclado, além da participação dos fãs que com seus celulares fizeram um mar de luzes nas arquibancadas lotadas do Gigantinho.

Somewhere I Belong


“The Catalyst” e “Lost in the Echo” serviram de preparação para outro grande hit do LINKIN PARK: “Numb”. “What I've Done” antecipou o momento mais marcante da noite com “One Step Closer”. Somente ela bastaria para fazer o Gigantinho tremer. Não satisfeitos com isso, o LINKIN PARK fez uso, pela primeira vez na noite, de um recurso muito utilizado em shows de grande porte: pirotecnia. Labaredas de fogo acompanharam Bennington e público quando estes gritavam a parte mais significativa da letra (“Shut up when I’m talking to you!”).

Ao voltar para o encore, a banda ainda guardava três músicas: “Bleed It Out” finalizou o show, enquanto “Burn It Down” e outro hit, “In The End”, manteram a atenção de todos, encerrando o evento após pouco mais de 1h30min de duração.

O LINKIN PARK presenteou seus fãs gaúchos com uma apresentação impecável, lotada de hits (mesmo tendo alguns, como “Crawling”, de fora – o que não prejudicou o show) e digna de ser lembrada até uma possível volta a Porto Alegre. Não podemos deixar de citar novamente a calorosa recepção do público que teve participação ativa transformando o show num verdadeiro espetáculo. Não é por nada que o público gaúcho é sempre elogiado quando recebe shows desta magnitude: além de saber se portar, sabemos aproveitar como se fosse uma oportunidade única (o que muitas vezes, infelizmente, acaba acontecendo). É essa devoção que faz bandas como, por exemplo, o Green Day colocar seu show em terras gaúchas como top3 dos melhores que já fizeram em toda sua carreira. Se este não for o caso do LINKIN PARK no seu show por aqui, com certeza será o caso dos que lotaram o Gigantinho que poderão afirmar que a noite do dia 12 de Outubro de 2012 foi uma das melhores que já tiveram na vida. E que venham outras como essa.

Setlist

Faint
Papercut
Given Up
With You
Somewhere I Belong
In My Remains
New Divide
Victimized
Points of Authority
Lies Greed Misery
Waiting for the End
Breaking the Habit
Leave Out All the Rest / Shadow of the Day / Iridescent
The Catalyst
Lost in the Echo
Numb
What I've Done
One Step Closer
Encore:
Burn It Down
In the End
Bleed It Out

Agradecimentos à produtora T4F e RBS Eventos.

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter