HellSakura, Nervosa, Artillery & Exumer - Hangar 110, São Paulo - 02/06/2012

Por Leandro Cherutti

O que as bandas ARTILLERY e EXUMER têm em comum? Bom, além do estilo marcante do Thrash Metal, ambas em certo momento de sua trajetória, encerraram suas atividades. E quando tudo parecia perdido, as duas resurgiram no cenário Thrash Mundial, trazendo todo aquele movimento áureo dos anos 80 novamente a ativa. Recentemente Exumer e Artillary, trouxeram toda esta nostalgia para o Brasil. E isto ocorreu no último final de semana, mais especificamente sábado dia 02, se apresentando na renomada casa de shows Hangar 110. Esta grande festa ainda contou com as participações das bandas NERVOSA e HELLSAKURA.

A tão aguardada noite teve seu início com a banda Nervosa, que às 19h30 compareceu ao palco de forma simples e direta, apresentando a ótima faixa “Time of Death” que logo de cara levantou o público. Com apenas 30 minutos disponibilizado ao trio, as meninas não perderam tempo e tocaram a fortíssima “Invisible Opression”, “Just Be Done” e “Urânio em Nós”, esta última cantada totalmente em português.  Na reta final de sua apresentação, a vocalista apresentou o grupo aos presentes, que possui na formação Prika Amaral (Guitarra), Fernanda Terra (Bateria) e Fernanda Lira (Vocal/Baixo).  Na sequencia Fernanda Lira chamou “Mobid Courage” e finalizou com a conhecida “Masked Betrayer”. Este poderoso trio sem sombras de duvidas é uma das maiores bandas em ascensão do Thrash Metal brasileiro na atualidade.

A próxima atração foi o Hellsakura, que traz em sua música uma mistura de Punk, Hard Core e Metal, criando uma atmosfera musical muito agradável. O grupo abriu sua apresentação com a intro “Nuclear Siren”, seguida de “Mel Pros Ouvidos”. Daqui para frente o que tivemos foi uma apresentação focada basicamente encimada do último álbum Bloody To Water lançado em 2011. Passando pelas faixas “Leave My Skull”, “Distorted Mirror”, “Bombs Way”, “Crow of Fire”, “Very Dark Sunday” “Hate”, “Quem é Você?” e  “My Motorhead”. O Hellsakura é um quarteto formado por Cherry (Vocal/Guitarra), Napalm (Baixo), Pitchu Ferraz (Bateria) e conta também com o guitarrista Marco Donida (Matanza e Enterro). Depois de aproximados 35 minutos de show, a banda deixou o palco com o dever cumprido.

Um dos momentos mais aguardados da noite estava prestes a acontecer. A renomada banda dinamarquesa Artillery, iria até que enfim realizar sua primeira apresentação no Brasil. E isto se deu por volta das 21h05, com a canção extremamente técnica e veloz “When Death Comes”, hit incluso no disco Homônimo de 2009, que marcou a estreia do carismático vocalista Søren Adamsen em um álbum de estúdio. Com os fãs totalmente hipnotizados pela sonoridade do Artillery, os músicos mandaram um clássico para acelerar de vez o ritmo na pista, e foi ele “By Inheritance”. Colocando andamento na noite veio “Death Is Na Illusion” do aclamado CD My Blood, e emendada veio o petardo de 1985 “Into The Universe”.

Até o momento uma apresentação impecável do quinteto, com destaque aos irmãos Michael e Morten Stützer, dois excelentes guitarristas, que realizam riffs poderosos em seus instrumentos. No palco Michael ficou do lado esquerdo e Morten no Direito, já o baixista Peter Thorslund, sempre que podia circulava pelo palco, na maioria das vezes interagindo com Søren Adamsen, e mais ao fundo na bateria, o sempre sorridente e brincalhão Carsten N. Nielsen, o mesmo não podia ver uma folga que se levantava para fotografar o público com o seu celular. Voltando a falar de música, as próximas foram “Mi Sangre (The Blood Song)” e “The Challange”. Antes de anunciar a faixa “10.000 Devils”, Søren Adamsen puxa ao palco um jovem menino, que aparentava possuir 12 anos, e o presenteou com a blusa que usava, e ainda comentou que ali estava o futuro do Heavy Metal. Sera que o menino ficou feliz? Em um final apoteótico, o Artillery executou três grandes clássicos da banda, começando pela fantástica “Khomaniac”, a pesada “Terror Squad” e finalizando com a intensa “The Almighty”. Com um pouco mais de 1hora de apresentação, os dinamarqueses saíram aclamados do palco.

A última atração da noite foi a lendária banda Exumer, que subiu ao palco de forma esplêndida com a faixa “Winds of Death”, que abre o maravilhoso disco Rising fron the Sea. Sim meus amigos, o inacreditável estava no palco, 24 anos após a primeira apresentação em São Paulo, os alemães retornaram para realizar uma grande celebração ao Thrash Metal na capital paulista. E isto não foi tudo, a banda ainda gravou um vídeo clipe, tornando esta noite muito mais especial, tanto para banda, quanto para os fãs, eternizando esta passagem na História do Metal.

A festa continuou com “Jurney to Oblivion”, enlouquecendo o público, e se dependesse do grandalhão vocalista Mem Von Stein, não iria ficar pedra sobre pedra dentro do hangar 110, o vocalista de forma insana, gesticulava e estimulava os fãs, para que abrissem as famosas rodas de mosh, e o mesmo não precisou pedir muito, a pista já estava um caos. As próximas foram às novíssimas e recém-saídas do Forno “The Weaskest Limb”, “Fallen Saint” e “Vermin of the Sky”, muito bem recebidas por todos.

O espetáculo não pode parar, e assim vieram “Sorrows of the Judgement” e logo após com um riff matador “A Mortal in Black”, era notável a felicidade estampada no rosto de

cada membro da banda, o pequenino baixista T. Schiavo, ao lado de Mem Von Stein possuía uma ótima presença de palco, deixando um clima muito intimista entre Exumer e galera. Já os guitarristas Ray Mensh e H.K passaram mais discretos no percorrer do show, fazendo o que sabem, tocando perfeitamente o seu instrumento, e o baterista Mattihas Kassner, comandou a sua bateria de forma impecável.

Uma noite perfeita até o momento, mas muito cartucho ainda seria queimado, e ainda tivemos “New Morality” e “I Dare You” duas do novíssimo CD Fire & Damnation, seguidas de “Destructive Solution”, “Xiron Dark Star” e “Fire and Damnation”.

Diante de um público entusiasmado, o Exumer colou um ponto final com um grande clássico “Possessed by Fire”.

O dia 02 de junho, não será tão cedo esquecido por quem vivenciou este momento épico, uma noite perfeita. Parabéns as bandas e ao numeroso público que compareceu, proporcionando uma grande festa no Hangar 110. Parabéns a Tumba Produções por realizar mais um grande espetáculo de metal extremo em São Paulo.

Agradecimentos: Luciano Piantonni da LP METAL PRESS

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter