Hate - Manifesto Bar, São Paulo - 15/04/2012

Resenha e fotos por Leandro Cherutti

Que o Brasil entrou definitivamente na rota de shows internacionais, isto é indiscutível. Tomaremos como exemplo o mês de abril, mais especificamente os últimos dois finais de semana, aonde tivemos 7 shows, alguns  como o grandioso festival Lollapalooza, Sebastian Bach ex-vocalista do Skid Row, Queensrÿche e do lado mais extremo Sodom, Centurian, Obituary e Hate, e é sobre esta última que irei comentar hoje.

O Hate esta entre as top 4 do Death Metal polonês, ao lado da famosa e polêmica Behemoth, da extraordinária Vader, e da caçula e não menos importante Decapitated. O grupo passou pelo Brasil recentemente na divulgação do aclamado CD Erebus, realizando 4 shows pelo país, e encerrou a turnê em São Paulo, no famoso Manifesto Rock Bar. Também se apresentaram na noite, os paulistas do Genocídio, e os cariocas do Unearthly.

No decorrer que a noite se aproximava, um friozinho e garoa tomou conta do ambiente, deixando o clima mais sombrio. O Unearthly subiu ao palco às 20h10, muito bem trajados, com vestimentas que lembram uma espécie de armadura. Visualmente estava tudo perfeito, e para completar o conjunto áudio visual, tivemos uma dobradinha musical, com as faixas “7.62” e “Baptized In Blood” do renomado disco Flagellum Dei. O Unearthly como sempre não deixa barato em suas apresentações, e logo mandou à ótima “Murder the Messiah”. O show seguiu com “My Fault” e “Flagellum Dei”.  O público correspondeu positivamente a cada som do grupo, e assim os cariocas seguiram para a parte final com “Revelations of Holy Lies” do CD Age Of Chaos, passando por “Osmotic of Haeresis”, “Black Sun” e “Age Of Chaos”. Felipe Eregion(Vocal/Guitarra), M. Mictian (Baixo), Vinnie Tyr (Guitarra) e Rafael Lobato (Bateria) realizaram um show de deixar qualquer um sem fôlego.

Uma tradicional e conhecidíssima banda de cenário paulista foi a próxima a se apresentar. Estou falando do Genocídio, que com 25 anos de estrada, continua levantando a bandeira do metal brasileiro com todas as forças. A banda abriu com “Fire Rain”, “Numbness Sunshine” e “Cloister”. O Guitarrista Rafael Orsi, com muita personalidade, demonstrou muita técnica em sua apresentação ao lado do experiente e marcante baixista W.Perna. O vocalista Murillo, conduziu o show com muita conversa, mantendo assim um ótimo clima entre banda e público.

A próxima música foi “Rebellion”, canção que possui muita velocidade em seu andamento, outros destaques ficaram com “Transatlantic Catharsis”, “Uproar”, além do clássico “Black Metal”, um petardo de um grupo que modificou e deu nome a um estilo musical.  Sim estou falando do Venom, o pai do Black metal. E encerraram com “The Clan”.

Uma pequena pausa para retomar o fôlego, e logo os poloneses de Varsóvia subiram ao palco. Após uma pequena intro, quebraram tudo com o hit que nomeia o novo álbum, a poderosa faixa “Erebos”. Do vinil Morphosis os músicos mandaram a técnica e extremamente agressiva “Catharsis” emendada com “Hexagony”, mais uma do novo. O vocalista e guitarra Atf Sinner, agradeceu a todos pela presença e anunciou “Threnody”, que tomou conta dos PA’s do Manifesto.

Na outra guitarra, postado do lado esquerdo do palco, o poderoso e grandalhão Destroyer, diga-se de passagem, um excelente guitarrista. Ao lado direito tivemos o baixista Mortifer, que destruiu nas 4 cordas, além de manter uma ótima presença de palco, ao fundo, no comando das baquetas, o ágil Hexex. O quarteto polonês seguiu intercalando canções dos álbuns, Morphosis e Erebos, como a boa “Wrist” seguida de “Omega” e “Resurrection Machine”.

Neste momento do show, Atf  Sinner tinha o público ao seu comando, e o que viesse daqui para frente seria festa, e assim deu andamento com “Luminous Horizon”,e “Trinity Moons” que finalizou a primeira parte do show.

No bis a banda voltou com uma surpresa aos fãs, com uma singela homenagem a um grande e respeitado nome do Thrash Metal brasileiro e mundial, com a música “Arise” do Sepultura, um som para abalar as estruturas do tradicional bar. O Hate se despediu dos fãs, agradecendo a cordial recepção que receberam em São Paulo e no Brasil.

O excessivo número de shows que vem ocorrendo na capital paulista tem deixado seus efeitos colaterais, fazendo com que alguns espetáculos fiquem com carência de público, e foi o que aconteceu domingo no Manifesto. È uma pena ver um grande nome do Death/Black se apresentar para uma plateia aproximada de 150 pessoas ou menos.


Setlist Hate:

1.Erebos
2.Catharsis
3.Hexagony
4.Threnody
5.Wrists
6.Omega
7.Resurrection Machine
8.Luminous Horizon
9.Trinity Moons

Bis
10.Arise (Sepultura Cover)
11.Anaclasis


Agradecimentos à Anaktar Betto e a BlackMamba Productions.

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter