Sodom - Carioca Club, São Paulo - 07/04/2012

Por Leandro Cherutti
Fotos por Bárbara Martins

Quatro longos anos se passaram desde a última visita da banda alemã Sodom pelo Brasil. Nesta recente passagem, os alemães realizaram duas grandes apresentações em território Tupiniquim. O grupo abriu a “South American Tour” na capital paranaense, Curitiba, ao lado da renomada banda americana de Thrash Metal, Exodus. No último Sábado dia 7, o Sodom esteve na cidade de São Paulo, onde realizou uma memorável apresentação. Na Terra da garoa, o palco escolhido foi o Carioca Club, e contou com a abertura das bandas Machinage e Red front.

Ainda cedo, por volta das 17h25, O Machinage subiu ao palco. A banda é um dos grandes nomes em ascensão do metal brasileiro, e abriu sua apresentação com “Revolution”. Em seguida tivemos a excelente “Envy”, canção que possui uma pegada forte. O grupo fez uma apresentação calcada encima do CD It Makes Us Hate, passando pela veloz “Is This The Way?” e seguindo com “Anguish”.  A noite estava apenas começando, e aos poucos o espaço na pista se preencheu. Vendo isto, Fábio Delibo (Guitarra/Vocal), Adriano Bauer (Baixo), Ricardo Mingote (Bateria) e Fernando Kump (Guitarra) mandaram uma das faixas que mais resume o som do Machinage em minha opinião, “Mask Behind Some Lies” composição que mescla velocidade, peso e melodia em sua mais pura essência.

O grupo ainda proporcionou uma grata surpresa, trazendo ao palco um convidado especial, Antonio Araujo, guitarrista da banda paulistana Korzus. Antonio participou da música “Next Victim”, e com certeza foi um dos pontos altos do show. O público reagiu muito bem ao som do Machinage, e com exatos 40 minutos de apresentação, encerraram com a conhecida e já clássica “Tides of War”.

Um breve intervalo se estabeleceu, e neste meio tempo, um telão mostrou a vitória parcial do São Paulo encima do Mogi Mirim por 2 x 0. Às 18h15, o Red front deu o ar da graça, mandando o som “Institutions Down”. Com um carisma extremamente empolgante, a banda sabe muito bem como armar uma festa. É quase impossível ficar parado ao olhar o desempenho de Oscar (Guitarra) e o modo único de tocar o seu instrumento, fazendo um misto de salto e passos largos, sem contar as caretas. O baixista Marq é extremamente elétrico, e ao lado de Léo (Vocal) passa uma energia contagiante. O grupo ainda conta com Marcelo (Guitarra) e Daniel (Bateria). O show prosseguiu com “Just Game”, e com uma bela homenagem ao Sepultura, com a execução de “Territory”.

Na música “Killer”, o Red Front trouxe ao palco um convidado ilustre, um boneco de pano, representando um integrante da banda Restart, o mesmo foi jogado na pista e destruído pela galera. Para finalizar, proporcionaram um Wall of Death no Carioca Club, com pesadíssima “Circle of Hate”, neste momento o Oscar se dirigiu até o fundo da pista, e em seguida adentrou no meio do mosh. Os Músicos realizaram uma belíssima apresentação, não deixando pedra sobre pedra.

A casa estava cheia, e pontualmente às 19h40, chegou a hora da atração principal comparecer ao palco. O Power trio alemão surgiu ao som de uma introdução, que levou ao primeiro som da noite, “In War and Pieces”, uma canção relativamente nova, mas que já ganhou o seu espaço no repertório de clássicos da banda. A próxima a fazer a alegria dos fãs foi o hino “Sodomy and Lust”, do EP Expurse Of Sodomy de 1987. O público eufórico clamava por mais, Tom Angelripper (Vocal/Baixo) não hesitou e ouviu a todos, mandando outra paulada “M-16”, que antecedeu outro clássico do grupo, “Outbreak of Evil”.

A figura carismática do guitarrista Bernemann é algo notável, o mesmo demonstrou nitidamente a alegria de estar tocando para um público tão animado, o sorriso permaneceu em seu rosto praticamente o show inteiro. Dando continuidade ao espetáculo, tivemos a canção que pegou todos de surpresa, “Surfin’ Bird”, que após 45 segundos se misturou com o petardo “The Saw Is The Law”. O set executado pelo trio contou com outros destaques como “Iron Fist”, cover da banda inglesa Motörhead, o hit “The Vice Of Killing” do LP Code Red, e ainda “The Art of Killing Poetry” e “City of God”. A próxima canção foi dedicada ao saudoso ex-baterista Chris Witchhunter, falecido em 2008, e foi nada mais nada menos que “Blasphemer”. Daqui para frente o que tivemos foi um desfile de clássicos, encabeçado por “Eat Me!”, “Ausgesbombt” e “Agent Orange”, neste momento os músicos deixaram o palco para um pequeno descanso.

No tradicional e esperado bis, tivemos “Remember the Fallen” e “Sodomized”. Em aproximados 80 minutos de apresentação, o Sodom demonstrou todo o poder da escola alemã dentro do Thrash Metal, e ainda apresentou oficialmente aos fãs brasileiros, o excelente baterista Makka, que demonstrou muita técnica e simpatia.

Setlist Sodom

1.In War and Pieces
2.Sodomy and Lust
3.M-16
4.Outbreak of Evil
5.Surfin’ Bird/The Saw Is the Law
6.Iron Fist – Motörhead Cover
7.The Vice of Killing
8.The Art of Killing Poetry
9.City of God
10.Blasphemer
11.Eat Me!
12.Ausgebombt
13.Agent Orange
14.Remember the Fallen
15.Sodomized

 

Agradecimentos ao Costábile Salzano Jr..

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter