Anvil & Primal Fear - Carioca Club, São Paulo - 27/02/2011

Resenha por Rogério Talarico
Fotos por Bárbara Martins

 

Anvil

Com produção da Negri Concerts, 2 gigantes do Metal, retornaram a terras tupininquins. A primeira banda da noite é o Anvil, uma banda Canadense com seu heavy metal da década de 80; já a segunda, é a Alemã Primal Fear, representante viva do Power Metal, sendo os capitães da noite.

Provavelmente, devido à forte chuva que ocorreu em São Paulo, a entrada na casa do show deu-se com atraso, começando o show quase 20 minutos mais tarde, sendo pouquíssimo comparado com a noite magnífica que estaria por vir. Com uma equalização perfeita e uma iluminação impar, por volta das 20:20 hrs, com o vocalista do Anvil, Steve Lips, subindo ao palco falando com o público através das cordas de sua guitarra e, logo após, solando incansavelmente abrindo o show com March of the Crabs, seguida pela endiabrada 666, levantando todos os ânimos.

Continuaram o show comum dos seus maiores sucessos, School Love, tendo como destaque novamente Steve Lips e Gleen Five, improvisando até uma dancinha com seus instrumentos e terminando brincando com o público, fazendo caretas e gestos.  Winged Assassins iniciou-se mostrando muito peso em suas composições seguida por This Is Thirteen antecedida pelo breve discurso de Lips, falando o quanto este show era especial para ele e sua banda e que amava o calor que o público transmitia.

Lips, sempre fazendo caretas e palhaçadas enquanto solava, chegou a pegar um um vibrador, para tocar sua guitarra e fazer barulhos frenéticos, sempre entretendo seu público. O show seguiu com Mothra e, em White Rhino, Lips falou de seus ídolos, citando o finado Ronnie James Dio, em sua época de Black Sabbath, dando espaço para um grande solo de bateria muito animado, seguido por Forged In Fire, e um de seus maiores sucessos, Mad Dog, sendo executada com muita alegria e novamente, mais palhaçadas.

A banda se despediu com Metal On Metal, que parecia o ponto alto deste show, pois quase todo o público estava extremamente agitado, parecendo até a primeira música da noite, terminando enfim, com mais um pequeno solo de guitarra e agradecendo pelo maravilhoso show em sua forma única: pelas cordas em sua guitarra.

Set-List

1.    March of the Crabs
2.    666
3.    School Love
4.    Winged Assassins
5.    This Is Thirteen
6.    Mothra
7.    Thumb Hang
8.    White Rhino
9.    Forged in Fire
10.    Mad Dog
11.    Metal on Metal

 

Primal Fear

Devido ao atraso do primeiro show da noite, os alemães do Primal Fear subiram ao palco às 22h20min, atraso que foi pouco notado pelo publico presente. O show principal iniciou-se com uma música instrumental sampleada, seguida pela Sign of Fear, com toda banda muito sorridente e o baixsta Matt Sinner reverenciando o público.

O show seguiu com Chainbreaker, tendo como destaque seu solo de guitarra, seguido pela Battalions Of Hate e Rollercoaster, com todo o publico cantando em uníssono quase toda a música. Logo após, a banda já estava em grande sintonia, quando iniciou uma ‘baladinha’: Seven Seals, seguida por Nuclear Fire, dando espaço para a agitada Six Times Dead (16.6), levando todos que estavam no Carioca Club à loucura!

Entre as músicas, para animar, o capitão da noite, Ralf Scheepers, agitava com muitos gritos e incentivos para o público pular, sendo assim obedecido com muito fervor.  Após isso, Randy Black iniciou um caloroso solo de bateria, mostrando muita técnica, porém o publico ficou muito calmo, como se estivessem pedindo música e não solos, o que talvez não tenha sido uma boa escolha feita pela banda.

Terminado o solo, a banda retornou ao palco para executar Blood On Your Hands, que terminou com Scheepers arriscando um ''DO BRASIL!'', muito parecido com o do comentarista Galvão Bueno numa versão heavy metal, dando abertura para Fighting the Darkness novamente com Ralf arriscando um ''Muito Obrigado!'' em português, seguido pela Riding the Eagle finalizando com a apresentação de sua banda, momento este que Matt Sinner assumiu o microfone com um breve discurso que se resumiu com suas próprias palavras: ''São Paulo Is Fucking Hard! I Love São Paulo!” dando início a tão conhecida brincadeira que quase todas as bandas fazem em solos brasileiros: ''Quem faz mais barulho: São Paulo ou Buenos Aires?'', na qual  Sinner decidiu por empatar este placar em 1x1, iniciando mais um de seus singles: Metal Is Forever.

Assim como todo show, a banda fez à famosa ‘paradinha’ e saiu do palco para o BIS, retornando após alguns minutos, depois de muito o público pedir para tocar Angel in Black, com Ralf descendo do palco até o público na grade para interagir com seus fãs presentes e encerrando com o Grand Finale desta noite, Running at The Dust, mostrando grande presença nesta noite chuvosa em São Paulo.

Set-List:

1.    Sign Of Fear
2.    Chainbreaker
3.    Battalions of Hate
4.    Rollercoaster
5.    Seven Seals
6.    Nuclear Fire

 


7.    Six Times Dead (16.6)
8.    Randy Black's Drum Solo
9.    Blood On Your Hands
10.    Fighting The Darkness
11.    Riding the Eagle
12.    Final Embrace
13.    Metal is Forever
Encore:
14.    Angel In Black
15.    Running In The Dust

Mais Fotos: Flickr MetalConcerts

Agradecimentos: Negri Concerts: http://www.negriconcerts.com.br/

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter