Kreator e Tim 'Ripper' Owens - Carioca Club, São Paulo - 14/12/2013

Texto e fotos por Leandro Cherutti
.

Quatro longos anos se passaram desde a última visita do Kreator pelo Brasil. Foi uma longa espera, mas extremamente recompensada com este último show. Nesta oportunidade, a tradicionalíssima banda de Thrash Metal alemã, trouxe a São Paulo a turnê de seu décimo terceiro álbum de estúdio, o aclamado Phantom Antichrist, que foi muito bem aceito pelo público. O anuncio desta apresentação causou furor nos admiradores de música extrema, fazendo com que os ingressos se esgotassem rapidamente. O Kreator não foi o único nome internacional do evento, a abertura ficou por conta de outro nome de peso, Tim “Ripper” Owens, garantindo desta forma um excelente espetáculo.

Quando nos referimos a Carioca Club, já podemos prever que a pontualidade será rigorosa, e que os horários pré-estabelecidos em flyers e nas informações sobre o show serão seguidos a risca. E foi bem isto o que aconteceu no último sábado dia 14. Exatamente às 17h o Carioca Club teve suas portas abertas ao público, que aos poucos foram se aconchegando nas dependências da casa. Não demorou muito para que a primeira atração subisse ao palco e aconteceu exatamente como estava no script. Pontualmente às 18h, a figura marcante de Tim “Ripper” Owens nos presenteou com um repertório muito bem elaborado, ao qual prestou uma singela homenagem ao Judas Priest, banda a qual participou substituindo o lendário vocalista Rob Halford, e ainda proporcionou um pequeno tributo ao Deus do Heavy Metal Ronnie James Dio, que infelizmente nos deixou órfão no dia 16 de maio de 2010.

Tim “Ripper” Owens abriu de forma avassaladora sua apresentação, mandando logo de cara a potente e estonteante composição PainKiller, levando o público a loucura. Na seqüência, o carismático vocalista perguntou aos presentes: Qual é o meu nome? Tim? E direcionou o pedestal do microfone a platéia, que respondeu prontamente em tom alto e claro, Ripper. Tim refez a pergunta e anunciou desta forma a segunda música da noite, a ótima The Ripper, originária do disco Sad Wings of Destiny de 1976. Ripper esteve acompanhado de excelentes músicos, que o ajudaram a realizar um belíssimo espetáculo. O show seguiu com a pesadíssima Burn in Hell, do disco do Judas Priest Jugulator, trabalho que apresentou ao mundo todo o talentoso frontman. A próxima foi Scream Machine, composição de 2006 e que pode ser encontrada no CD Beyond Fear, da banda de nome homônima, criada pelo próprio vocalista.

Com total comando sobre os fãs, Tim “Ripper” seguiu sua apresentação com uma tríade pra la de especial, que contou com  The Green Manalishi, passando por Victim of Changes e que se encerrou com a cadenciada Metal Gods, deuses do Metal em português. Aproveitando este ensejo, Tim homenageou um dos deuses do metal, o já citado Ronie James Dio, com a linda música Stand Up and Shout, um dos momentos mais arrepiantes da noite até o presente momento, com a platéia cantando em uníssono à letra, momento único e mais do que especial. Para a parte final o vocalista reservou The Human Race, Electric Eye, One on One e finalizou sua apresentação com a esplêndida Heaven and Hell, que ganhou um enorme coro. Sem sombras de dúvidas um hino do Metal.

Em pouco mais de 1 hora de show, Tim “Ripper” Owens mostrou o porquê de ter sido o escolhido a substituir o mito Rob Halford. Um show simplesmente impecável.
.

O momento mais aguardado da noite estava prestes a ocorrer, era hora de retomar as energias e se preparar para o caos em forma de música, e isto não demorou a acontecer, logo as cortinas se abriram, as luzes se apagaram, e a boa introdução Mars Mantra penetrou lentamente nos tímpanos de cada um dos presentes. O que podia se ver no palco era somente o telão, que exibia o nome Kreator manchado de sangue, um começo matador. E foi assim que Mille Petrozza (Guitarra/Vocal), Christian "Speesy" Giesler (Baixo), Jürgen “Ventor” Reil (Bateria) e Sami Yli-Sirniö (Guitarra) compareceram ao palco, executando a faixa que abre o último trabalho e que leva o mesmo nome, Phantom Antichrist. Uma iluminação azulada tomou conta do palco, clareando de forma impressionante o desempenho dos músicos, que logo mandaram From Flood into Fire e Warcurse, esta ultima pertencente ao penúltimo CD Hordes Of Chaos, que particularmente não acho tão bom. Mille é muito comunicativo e causou exaltação quando solicitou ao público, que mostrassem o quanto são bons na pista, é claro com os tradicionais moshpits. E assim os músicos iniciaram o começo da clássica Coma of Souls, que logo se misturou com o petardo Endless Pain, algo eletrizante de se ouvir. Mas isto não era tudo, trouxeram na seqüência à linda Pleasure to Kill, projetando os mais saudosista como eu, aos tempos áureos do grupo.

A banda continuou sua apresentação, mesclando velhos e novos sucessos, passando pelas faixas mais recentes Hordes of Chaos e Death to the World, que antecedeu a antiga Riot of Violence, música que possui nos vocais o fantástico baterista Ventor, dando assim um descanso as cordas vocais de Mille Petrozza. Quando Mille retomou o seu posto, anunciou Enemy of God, música que possui uma letra fabulosa e logo depois tivemos a contagiante Phobia, que agitou muito bem os fãs. Neste momento o show se direcionou para sua reta final, e vieram as composições The Patriarch/Violent Revolution, United in Hate, People of the Lie e Civilization Collapse. Para o fim o Kreator reservou três de seus melhores sucessos, a matadora Betrayer foi a primeira a ser executada majestosamente. A penúltima não foi nenhum mistério para os fãs, Mille apareceu segurando uma bandeira era mais do que obvio que seria Flag of Hate, que literalmente se emendou com o a imponente Tormentor. Mille Petrozza se despediu dizendo que voltarão em breve.

A ausência de alguns clássicos foi sentida, mas isto é normal com bandas que possuem muitos anos de carreira e uma discografia extensa. Agora é aguardar o retorno dessa lenda do Thrash Metal. Espero que não demore novamente 4 anos!

.

Setlist – Tim “Ripper” Owens

.

Painkiller
The Ripper
Burn in Hell
Scream Machine
The Green Manalishi (With the Two Pronged Crown)
Victim of Changes
Metal Gods
Stand Up and Shout
The Human Race
Electric Eye
One on One
Heaven and Hell

.

Setlist – Kreator

Intro/Mars Mantra
Phantom Antichrist
From Flood into Fire
Warcurse
Coma of Souls / Endless Pain
Pleasure to Kill
Hordes of Chaos

Death to the World
Riot of Violence
Enemy of God
The Patriarch
Violent Revolution
United in Hate
People of the Lie
Civilization Collapse
Betrayer
Flag of Hate / Tormentor
Until Our Paths Cross Again

Agradecimentos a Heloísa Vidal da Brasil Music Press e a Free Pass Entretenimento Pela atenção e credenciamento.

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter