Steve Vai - Citibank Hall, São Paulo - 08/12/2013

Por: Otávio Juliano
Fotos gentilmente cedidas por Fernando Yokota (Clique aqui para conhecer o trabalho do fotógrafo)

Seria muito fácil começar essa resenha afirmando que o show do STEVE VAI, no último domingo 08/12, foi uma aula de guitarra. Foi mesmo. Mas eu seria injusto se dissesse apenas isso. Foi muito mais do que uma aula de guitarra, foi uma verdadeira aula de simpatia, carisma, humildade, entretenimento. STEVE sabe como fazer de uma apresentação instrumental algo inesquecível para a plateia que o assiste, seja ela composta de guitarristas ou não.

Esse americano de 53 anos é sem dúvida um dos maiores nomes da guitarra virtuosa e referência para qualquer músico que toque guitarra. Em São Paulo, STEVE VAI mais uma vez foi certeiro e logo no início brincou com o público perguntando se todos estavam confortáveis nos lugares, pois seriam 6 horas de show. Não chegou a tanto, mas VAI tocou por quase 3 horas e fez com que o domingo dos fãs que estiveram no Citibank Hall terminasse de forma incrível.

De chapéu, VAI subiu ao palco às 20:20h e já lançou mão de uma dobradinha de seu mais recente disco, “The Story Of Light” (2012), que dá nome à turnê atual, parando em seguida para apresentar a banda e agradecer ao público.

Em seguida, para tocar “Building The Church”, STEVE apareceu com uma guitarra que trazia as marcações de casas iluminadas em azul, aproveitando ainda a oportunidade para pegar a câmera fotográfica de um dos fotógrafos para registrar uma imagem sua com o público de fundo.

E foi nesse clima de interação entre músico e fãs que o show prosseguiu, com direito a troca de figurino, guitarras, jogo de luzes coloridas iluminando o palco de forma muito bonita, sem contar as participações individuais de cada músico que acompanha o guitarrista e ainda um set acústico.

O baterista Jeremy teve seu momento de diversão quando apareceu no palco com uma estrutura composta de uma mesa com um cone, uma placa daquelas utilizadas para indicar “piso molhado”, canos e algo que parecia ser uma panela de metal. De tudo isso o baterista conseguiu tirar som e mandou ver na brincadeira, antes de retomar sua posição na bateria. Dave também fez um solo de violão muito bonito e o baixista Philip comandou as linhas de baixo com maestria, esbanjando empolgação e alegria.

Difícil saber quais canções foram os destaques em um show como esse e tenho certeza que cada um que esteve presente saiu com suas próprias candidatas a melhor da noite. Eu destacaria “Sisters” em versão acústica, a linda “Whispering a Prayer”, que mesmo sendo só instrumental e sem letras, teve seus riffs acompanhados pelo público, além de todas as músicas extraídas do álbum “Passion And Warfare” (1990), um dos 5 melhores discos de guitarra da história, na humilde opinião deste que vos escreve.

Nem um problema técnico no início da execução de “Gravity Storm”, ainda no começo da apresentação, fez com o espetáculo perdesse seu brilho. Até nesse momento desconfortável STEVE soube “tirar de letra” a situação e brincou que a plateia havia feito com que ele tocasse de forma tão insana que algo havia quebrado em sua guitarra. Claro que todos riram e logo depois o problema estava resolvido e o show continuou normalmente.

Para o final, VAI reservou outro momento especial, ao chamar um casal do público para ajudá-lo a compor uma música. Isso mesmo. Ali na hora, totalmente improvisado. A moça, bastante tímida ou talvez perplexa por estar tão próxima do guitarrista, foi convidada a ditar a batida da canção, enquanto o rapaz ajudou nas linhas de baixo e ainda contribuiu na melodia. Disso resultou uma canção tocada sem qualquer ensaio, apenas com alguns ajustes do mestre VAI, é claro. Mais um momento engraçado que divertiu bastante o público.

“For The Love Of God”, um hino instrumental, se é que se pode assim dizer, fechou a noite e fez com as luzes se apagassem por alguns instantes. Muitos já se encaminhavam para a porta de saída quando a banda voltou e, aí sim, fechou definitivamente a apresentação com “Fire Garden Suite IV – Taurus Bulba”, do disco “Fire Garden” (1996), a essa altura com STEVE já devidamente trajado com a camisa da seleção brasileira de futebol.

Uma apresentação contagiante e incrível de um músico espetacular em todos os aspectos. Tomara que nós brasileiros possamos vê-lo novamente em breve.

Banda:

Steve Vai – Guitarra, Violão e Vocal
Dave Weiner – Guitarra e Violão
Philip Bynoe – Baixo
Jeremy Colson – Bateria

Set List:

1. Racing The World
2. Velorum
3. Building The Church
4. Tender Surrender
5. Gravity Storm
6. Solo de guitarra – Dave Weiner
7. Weeping China Doll
8. Answers
9. The Animal
10. Whispering a Prayer
11. The Audience Is Listening
12. The Moon and I
13. Rescue Me or Bury Me
14. Sisters (set acústico)
15. Treasure Island (set acústico)
16. Salamanders In The Sun (set acústico)
17. Garden Suite II – Pusa Road (set acústico)
18. Solo de bateria
19. The Ultra Zone
20. Frank
21. Build Me a Song
22. For the Love Of God

Bis:

23. Fire Garden Suite IV – Taurus Bulba

Agradecimentos a Tatiana Ito (T4F) pela atenção e credenciamento.

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter