Graveyard: Suecos se apresentam no “Hocus Pocus Festival” no Rio de Janeiro

Os suecos do Graveyard acabam de fechar mais uma data no Brasil; além do show de São Paulo (18/05, sábado @Fabrique Club), eles também tocarão no Rio de Janeiro, no dia 19/05 (domingo), no “Hocus Pocus Festival 2019”, que acontecerá no BCo Makers (R. Gen. Luís Mendes de Morais, 210, Santo Cristo, Rio de Janeiro).

O Hocus Pocus Festival 2019 terá além do Graveyard, outras duas bandas nacionais na abertura, além do lançamento de uma nova NE IPA, eles farão mais 2 cervejas exclusivas para o evento, uma leva fresquinha de Overdrive, e mais algumas novidades que serão divulgadas nas próximas semanas.

Página mais informações, siga a página do Hocus Pocus Festival no Facebook:
https://www.facebook.com/events/1077529125771510/

O Graveyard foi formado em 2006, em Gothemburg, na Suécia. Eles definem seu som como uma mistura de classic heavy rock, blues e “psychedelia”.

Eles possuem 5 álbuns, sendo “Peace”, o mais recente, lançado em 2018. No Brasil eles são bastante conhecidos pelos álbuns “Hisingen Blues” (2011) e “Innocence & Decandence” (2015).

Os shows da turnê de “Peace” têm sido um sucesso. Tão logo foi lançado, ele se tornou um dos discos mais vendidos em sua terra natal, a Suécia. Na Europa há uma forte cena com bandas com essa sonoridade calcada nos anos 70, com muita gente nos shows.

A formação do Graveyard traz Joakim Nilsson (guitarra e vocal), Jonathan Ramm (guitarra), Truls Mörck (baixo) e Oskar Bergenheim (bateria).

Para mais informações do show de São Paulo, siga a página do evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/2173390176254248/

INFOS:  Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. www.xaninhodiscos.com.br



Art do flyer da tour: Wildner Lima

 

Dee Snider – Tom Brasil, São Paulo – 23/03/2019

Por Rogério Talarico 
Fotos por Leandro Cherutti

O renomado vocalista do Twisted Sister lançou no ano passado “For the Love if Metal”, um dos álbuns mais elogiados de 2018 pela mídia especializada e é claro que o vocalista incluiu o Brasil na rota de divulgação deste belíssimo álbum de puro heavy metal.

Os escolhidos para o ‘esquenta’ da noite foram os curitibanos do Secret Society. Subindo ao palco às 20h45min, o power trio soube entreter muito bem o pouquissimo público que tinha entrado na casa de shows para prestigiá-los. Guto Diaz possui uma voz marcante e uma caracteristica forte do grupo é o alto som do baixo de Guto, que sobrepõe até mesmo as guitarras de Fabiano Cavassin. O grupo que baseia suas canções em sociedades secretas tocou canções como a pesada “Fields of Glass”, “The Architecture Of Melancholy” e fechou sua apresentação apos cerca de 40 minutos com “Cry For Love”.

Pontualmente as 22h, o potente vocalista Dee Snider entrou ao palco acompanhado por Charlie Bellmore e Nick Petrino (guitarras), Erik Joakin (baixo) e Nick Bellmore (bateria) de forma muito animada, pulando e cumprimentando seu público que neste momento já era bem maior do que estava presente na banda de abertura.

Abrindo sua apresentação com canções de seu mais recente lançamento como “Lies Are a Business” e o seu novo single “Tomorrow's No Concern”, Dee mostrou logo neste início quão versátil é como vocalista e consegue transitar tranquilamente entre os diversos subgêneros do metal como hard, heavy e thrash. Mesmo com 64 anos, o vocalista tem poder de fogo e empolgação de sobra no palco.

A terceira musica foi a primeira canção da banda que o consagrou que foi tocada  e “You Can't Stop Rock 'n' Roll” do Twisted Sister levou o público à euforia total. Mesclando o restante de sua apresentação entre canções de sua nova carriera como seu primeiro single “I Am the Hurricane” e as do Twisted como a conhecidíssima “We're Not Gonna Take It”, certamente a grande surpresa da noite foi “Ready to Fall” de seu projeto intitulado Widowmaker, lançado por ele nos primórdios dos anos 90, sendo o estopim da apresentação pelas homenagens feitas no telão mostrando imagens de ídolos falecidos como Dio, Freddie Mercury, Lemmy Kilmister, Cliff Burton entre outros.

Além da ótima e poderosa “Become The Storm”, Snider presenteou os presentes ainda com mais duas canções do Twisted, sendo a pesada “Under the Blade” e o hit “I Wanna Rock”.  Retornando ao palco, o carismático vocalista pediu ao público que agitasse pois repetiria a canção “Tomorrow's No Concern” para gravação de seu novo clipe e, como se ainda estivesse no começo da apresentação, sua voz, presença de palco e interação foi novamente impar. Mesmo sem tocar sucessos do Twisted Sister como “The Kids Are Back”, o potente vocalista encerrou sua curta apresentação com “For the Love of Metal” entregando uma apresentação extremamente calorosa e provando que a idade só fez bem para ele e sua carreira.

Agradecimentos a Mirian Martinez do Tom Brasil e a Damaris Hoffman da Top Link Music pela atenção e credenciamento.

Set List:

Lies Are a Business
Tomorrow's No Concern
You Can't Stop Rock 'n' Roll (Twisted Sister)
American Made
I Am the Hurricane
We're Not Gonna Take It (Twisted Sister)
Ready to Fall (Widowmaker)
The Price (Twisted Sister)
Become the Storm
Under the Blade (Twisted Sister)
I Wanna Rock (Twisted Sister)

Encore:
Tomorrow's No Concern
For the Love of Metal

 

Saxon – Tropical Butantã, São Paulo – 16/03/2019

Por Rogério Talarico
Fotos gentilmente cedidas por Renan Facciolo 

Um ano após sua última passagem pelo país, os ingleses do Saxon retornaram ao Brasil ainda com a turnê do aclamado álbum “Thunderbolt”, lançado no ano passado. Assim como da última vez, a casa escolhida pela produção foi o ótimo Tropical Butantã e como se a banda não tivesse vindo há pouco tempo, a casa estava lotada novamente.

Após a abertura da Uncle Trucker, com um atraso de meia hora do programado, Biff Byford (vocais), Paul Quinn e Doug Scarratt (guitarras), Nibbs Carter (baixo) e Nigel Glockler (bateria) entraram ao palco ao som de “Thunderbolt”, do hômonimo álbum em divulgacão. Mesmo com a idade avançada, Billy é um enorme frontman: agita, ainda possui sua voz intacta e comanda o público com maestria. Não apenas Billy mas Paul e Nigel são quase setentões mas agitam e tocam seus instrumentos com muito empenho e não transparecem a idade que possuem.

O show que possui muita fumaça e baixa iluminação seguiu e sucessos como “Wheels of Steel”, “Denim and Leather” e “Power and the Glory
” arrancaram aplausos dos presentes. Do álbum em divulgação o grupo somente tocou a faixa de abertura e “They Played Rock and Roll”, com o grupo focando sua apresentação no repertório clássico, fazendo a alegria dos fãs mais antigos do grupo que é claro, estavam em peso naquela noite.

Como sempre fazem, abriram ao público a escolha de uma canção e, entre as opções, a escolhida foi a pesada “Solid Ball of Rock” que foi acompanhada em únissono pelo público. Como a banda esta na ativa desde 1976 possuem muitos hits e além dos clássicos já tocados na noite ainda acrescentaram “747 (Strangers in the Night)” e bela e rápida “Crusader” antes de sair do palco.

“Heavy Metal Thunder” abriu o ‘bis’ da banda, que mesmo após 1 hora e 20 minutos de show não parecia nada cansada e abatida. Biff estava com seus graves e agudos intactos e voltou batendo cabeça juntamente com os demais integrantes. Após “Never Surrender” a surpresa foi a execução de “Motorcycle Man” que também estava entre as opções de escolha do público, mostrando que a banda estava com muita vontade e garra de supreender o público paulistano.

Após quase 2h de show, encerraram sua excelente apresentação com a mais esperada da noite, “Princess of the Night”. Sabemos que a era das bandas clássicas esta acabando mas se contar pela apresentação, garra e energia entregue por esse quinteto de dinossauros, arrisco meu palpite que o Saxon ainda possui bastante fôlego para mais uns 10 anos de entrega e dedicação ao Rock’n’Roll. Que não demorem para retornar ao Brasil!

Agradecimentos ao Costábile Salzano Jr da The Ultimate Music pela atenção e credenciamento.

Set List:

Thunderbolt
Sacrifice
Wheels of Steel
Strong Arm of the Law
Denim and Leather
Battering Ram
Rainbow Theme
Frozen Rainbow
Backs to the Wall
They Played Rock and Roll
Power and the Glory
Dogs of War
Solid Ball of Rock (audience's choice)
Ride Like the Wind (Christopher Cross cover)
747 (Strangers in the Night)
And the Bands Played On
To Hell and Back Again
Dallas 1 PM
Crusader

Encore:
Heavy Metal Thunder
Never Surrender
Motorcycle Man
Princess of the Night

 

Cultuado Black Label Society inicia turnê pelo Brasil esta semana

Após cinco anos de espera, o cultuado Black Label Society, um dos nomes mais venerados e revolucionários do rock/metal mundial dos últimos tempos, finalmente está de volta ao Brasil. O grupo traz na bagagem a impressionante performance da turnê promocional do elogiado novo álbum “Grimmest Hits”, que já encantou as principais cidades da América do Norte e Europa.

Com uma lista de hits como “Stillborn”, “Suicide Messiah”, “Concrete Jungle”, “Funeral Bell”, “Bleed for Me”, “In This River”, “The Blessed Hellride”, “Fire It Up
”, entre outros, o grupo liderado pelo exímio Zakk Wylde se estabeleceu como um fenômeno global.

Zakk Wylde (vocal/guitarra), Dario Lorina (guitarra), John DeServio (baixo) e Jeff Fabb (bateria) inciam nova importante passagem pela América do Sul com sete apresentações no País. Os shows acontecem em Porto Alegre (30/03 – Opinião), Curitiba (31/03 - Ópera de Arame), Brasília (02/04 – Toinha), Manaus (03/04 - Teatro Manauara), Rio de Janeiro (05/04 - Circo Voador), São Paulo (06/04 - Tropical Butantã) e Belo Horizonte (07/04 - Cine Teatro Brasil).

A produtora Liberation Tour Booking informa que, apesar da grande procura, ainda há ingressos à venda em todas as sete capitais. Mais informações nos serviços abaixo.

O repertório base desta turnê tem sido o seguinte:
Genocide Junkies
Funeral Bell
Suffering Overdue
Bleed for Me
Heart of Darkness
Suicide Messiah
Trampled Down Below
All That Once Shined
Room of Nightmares
Bridge to Cross
Spoke in the Wheel
In This River
The Blessed Hellride
A Love Unreal
Fire It Up
Concrete Jungle
Stillborn

Formado em 1998, o Black Label Society ficou famoso mundialmente por conta do exímio Zakk Wylde, que há muitos anos, é praticamente o braço direto na carreira solo do lendário Ozzy Osbourne, participando de álbuns clássicos como “No More Tears” (1991), “Ozzmosis” (1995), entre outros.

Nascido em 1967, Zakk Wylde, nome artístico de Jeffrey Phillip Wiedlandt, é considerado um verdadeiro deus da guitarra e um dos mais bem-sucedidos artistas da sua geração, devido a conquista de vários títulos e prêmios.

Com o Black Label Society, o artista segue construindo uma das mais criativas e violentas discografias, além de figurar sempre na capa das principais revistas especializadas e se apresentar em grandes festivais pelo Mundo.

Com o lançamento de “Grimmest Hits” (2018), a banda conquistou a mesma repercussão que os bem-sucedidos “The Song Remains Not The Same” (2011) e “Catacombs of the Black Vatican”(2014), que figuraram na lista dos melhores discos lançados dos seus respectivos anos pela imprensa especializada europeia.

Para mais informações sobre o show, clique aqui.


 

Leprous – Carioca Club, São Paulo – 10/03/2019

Por Rogério Talarico

Anos atrás, seria impossível prever a vinda de alguns grupos musicais ao país. Felizmente esse quadro vem se revertendo ano após ano e o Brasil já se tornou um dos polos mundiais no que diz respeito a turnês de bandas. Desde shows pequenos até a criação de novos festivais, o Brasil se consagrou e hoje é rota obrigatória para as bandas de todo o mundo. É claro que para que isso ocorra não depende somente que os grupos possuam vontade, mas sim de produtores locais que invistam na cena e arrisquem, acreditando no público local. Dada informação, elogio aqui o trabalho da produtora Overload que vem trazendo grandes nomes do metal progressivo ao país, bandas até então nunca antes vistas em terras tupiniquins como o Leprous, grupo oriundo da Noruega que tem mostrado muito talento e musicalidade.

Pontualmente às 20h, Einar Solberg (vocais), Tor Oddmund Suhrke e Robin Ognedal (guitarras), Baard Kolstad (bateria) e Simen Børven (baixo) subiram ao palco do Carioca Club ao som de “Bonneville”, música presente no álbum “Malina”, lançado em 2017.

Einar é um tanto quanto durão no palco – talvez devido a sua estatura – mas é um excelente vocalista e possui alcances vocais astronômicos e tanto o grave quanto os mais altos falsetes de sua voz são executados exatamente como os gravados em seus álbuns. Sua banda é um show a parte e os músicos além de extremamente empolgados e comunicativos também executam com maestria seus instrumentos e arrisco dizer que é uma das bandas mais coesas, alinhadas e afinadas que tive a oportunidade de ver ao vivo.

Com pouquissima iluminação, o quinteto apresentou faixas de sua carreira focando em seu último album como a empolgante “Stuck” e “Illuminate” mas não deixou de fora musicas mais antigas como “Acquired Taste” do complexo álbum “Bilateral” e as ótimas canções do disco “The Congregation” como os hits do grupo “The Price” e “Third Law”. Antes dessas 2 canções, a banda ainda executou uma homenagem ao Massive Attack e fez uma releitura da conhecida “Angel”, um ponto alto do show.

No retorno do bis a carismática banda executou mais uma dobradinha de sucesso sendo a bela “Mirage” e finalmente a mais aguardada da noite, “From the Flame” fechando essa chuvosa noite com chave de ouro, uma noite que os fãs deste quinteto que é uma revelação do Prog Metal lembrarão por muito tempo.

Agradecimentos ao Costábile Salzano Jr. da The Ultimate Music pela atenção e credenciamento.

Set List:

Bonneville
Stuck
The Valley
Foe
The Flood
Acquired Taste
The Cloak
Illuminate
Golden Prayers
Angel (Massive Attack cover)
The Price
Third Law

Encore:
Mirage
From the Flame

 

Pesquisa

Redes Sociais

Newsletter